Tipos de leilão: conheça os principais

Existem inúmeros tipos de leilão atualmente, e muitas pessoas não possuem o conhecimento deles e por este motivo deixam de participar. A baixo estará explicitado todos os leiloes existentes hoje em prol do mercado.

1) Leilão privado

Os leilões privados de imóveis não são comuns aqui no Brasil. De maneira simples, o leilão privado acontece quando alguém decide leiloar sua casa usando um site especializado, como o Mercado Livre ou o Ebay. Esses sites são mais usados para a venda de produtos em geral, como roupas e eletrônicos, mas você pode também comprar e vender imóveis em leilão através deles.



2) Concorrência pública

A concorrência pública é uma forma de licitação, na qual feita uma “aposta cega”, como costumo dizer. A Caixa Econômica Federal é uma instituição que usa bastante esse processo. Funciona assim: durante um período de tempo (um mês, por exemplo, conforme o edital), é possível ver o imóvel e então entregar em alguma agência da Caixa um envelope com o valor escrito do que se deseja pagar pelo imóvel, mais 5%, como sinal, do valor ofertado, em dinheiro.

Em dia e hora determinados, os envelopes são abertos e lidos na frente de todos aqueles que quiserem comparecer ao “evento”. O investidor que ofertou o maior valor pelo imóvel ganha a concorrência pública. Chamo de aposta cega”, pois você não pode ver quanto os outros interessados ofereceram.

3) Leilão judicial

Os imóveis em leilão judicial são aqueles que foram a leilão devido a uma ação judicial. Sempre há um credor (quem cobra) e um mutuário (quem deve). Há diversos tipos de dívidas que se pode contrair, e cada tipo de dívida é julgado por um dos órgãos da Justiça, seja a Justiça do Trabalho ou a Justiça Civil, por exemplo. Cada órgão trata os leilões de forma diferente. No quesito rentabilidade, os leilões judiciais são muito bons. Contudo, é bem mais trabalhoso comprar imóveis em leilões judiciais com segurança, pois há muitos detalhes a serem cuidados.

4) Leilão extrajudicial

Os leilões extrajudiciais são os que ocorrem sem que precise haver algum processo na Justiça. Os bancos geralmente usam esse tipo de leilão para vender imóveis recuperados. Isso é possível, pois há uma lei (nº 70/66) que agiliza o processo de hipoteca. Antigamente, era bem difícil para os bancos recuperarem os imóveis dos clientes inadimplentes. Com a vinda da lei, os bancos podem retomar o bem se o cliente deixar de pagar três parcelas do financiamento.

Os exemplos que darei sempre serão em relação à Caixa Econômica Federal, pois ela é a maior instituição que financia a compra de imóveis. Os leilões extrajudiciais são bem mais simples que os judiciais no momento de verificar os possíveis problemas de processo. Mesmo assim, é preciso ter cuidado. Algumas vezes, a Caixa cuida das dívidas pendentes. Verifique isso e pergunte sempre que você tiver uma dúvida.

5) Venda direta

A venda direta não é uma forma de leilão; na verdade, é um mecanismo que a Caixa usa para vender imóveis “encalhados”. Há diversos imóveis que a Caixa leva a leilão ou a concorrência pública e, mesmo assim, não há interessados na compra. Assim, a própria Caixa adquire esses imóveis e os oferece no site para venda direta. A oferta fica no site até que alguém queira comprar aqueles imóveis. Contudo, eles são comercializados pelo valor de mercado, já que a Caixa, agora, pode visar ao lucro, visto que os imóveis são dela. Antes, os imóveis só estavam alienados, e a Caixa podia apenas tentar leiloá-los, sem visar ao lucro – a Caixa só podia retomar o dinheiro da dívida, e o resto do dinheiro ia para o mutuário.

6) Leilão online

Por fim, existem os leilões online. Neles, é definido dia e hora para o início dos lances. O maior lance vence. Simples, não é? Se alguém der um lance no último minuto, o leilão é postergado por mais quatro minutos, para que os outros interessados possam dar mais lances e seja um processo justo.

Compartilhe este artigo!
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *