Salário Mínimo na Espanha: quanto é pago por lá?

O salário mínimo na Espanha não é exatamente o mais atraente entre todas as opções da Europa. Em uma crise econômica de longa data, o país é considerado uma das nações em condições precárias no bloco europeu. Por óbvio, uma economia instável é refletida em desemprego, e o desemprego – em geral – é refletido em um baixo salário para o trabalhador.

Mesmo entre as maiores economia do mundo, sob alguns prismas, a Espanha possui um grave problema em relação à sua dívida externa, que corresponde a quase todo o seu PIB – situação na qual considera-se o país em franca crise.



Há, no entanto, uma série de aspectos que colocam a Espanha como um excelente destino para aqueles que pretendem morar por lá. São aspectos relacionados à cultura, história, clima e, até mesmo, às condições de trabalho para aqueles que garantirem um emprego por lá.

Saiba mais sobre o salário mínimo na Espanha, as condições de trabalho, os aspectos econômicos e demais informações relevantes para quem cogita uma carreira profissional por lá:

Quanto é o salário mínimo na Espanha?

Para o trabalhador espanhol que presta uma jornada de trabalho integral, o piso salarial médio de todas as categorias definidas em lei gira em torno dos 750 Euros mensais. Em comparação à Europa, de forma geral, o salário não está entre os mais generosos. Por outro lado, é cerca de 20% maior que a remuneração do vizinho lusitano.

Essa remuneração varia de acordo com a categoria profissional – geralmente tornando-se um pouco inferior para os casos em que o custo de vida é reduzido, como em trabalhos rurais. Observa-se na Espanha, no entanto, uma disparidade significativa, uma vez que o trabalhador mais especializado tende a ser melhor remunerado.

Como é a economia espanhola?

Entre as economias europeias, a espanhola está entre as que sofre de maior instabilidade no momento atual. Com a 12ª maior economia em termos de PIB bruto, atravessa uma crise que compromete quase 100% deste PIB anual em dívidas.

Isso é refletido na enorme taxa de desemprego, que encosta nos 20%, segundo a última análise econômica realizada. Para fins de comparação, isso é cerca de 150% da taxa de desemprego apresentada pelo vizinho Portugal, que também vive uma profunda crise. A maior parte da força de trabalho espanhola dedica-se ao setor de serviços.

Qual o nível dos direitos trabalhistas na Espanha?

Atualmente, a despeito do salário mínimo na Espanha ser considerado baixo-intermediário, o país é considerado parte da média europeia no que diz respeito às proteções ao trabalhador, no campo jurídico. Na prática, em termos econômicos, pode-se dizer que a Espanha atual aproxima-se ao lado mais liberal entre os Estados do bloco europeu.

Até algum tempo atrás, o país vivia um regime mais protegido para o trabalhador. A crise, no entanto, deu espaço para um tom mais liberal em relação às possibilidades de contratação, como uma tentativa de estímulo à criação de empregos – uma das maiores prioridades para a população em função de sua alta taxa de desemprego. As reformas ainda mantém os principais direitos trabalhistas, como férias remuneradas e descansos básicos relacionados à saúde e ao bem estar.

Assim como o Brasil, o país ainda vive um momento de reformas, cujos resultados exatos ainda não podem ser previstos. Isso pode fazer com que a situação do direito trabalhista, por lá, seja mantida ou receba algumas atualizações.

Compartilhe este artigo!
  • 1
  •  
  •  
    1
    Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *