Salário Mínimo em Portugal: saiba como funciona

Apesar de toda a riqueza de seu passado, o salário mínimo em Portugal, hoje, não é exatamente generoso. O país inicia um processo de recuperação após um longo período de crise financeira, mas ainda não vive um processo de fortalecimento econômico significativo.

Obviamente, este processo complicado de muitas décadas difíceis é refletido no salário mínimo em Portugal, que configura-se significativamente mais baixo do que a média salarial da Europa, de forma geral. Portugal está entre os países que um pouco mais periféricos no sentido de centralidade de decisões e importância econômica europeia, o que reflete em uma economia desaquecida, com baixa capacidade de remuneração, em comparação a alguns de seus vizinhos.



Por outro lado, o menor aquecimento econômico também resulta em um custo de vida mais baixo, o que acaba tornado o salário reduzido mais ajustado à realidade local, permitindo que seus trabalhadores tenha um pouco mais de poder de compra relativo.

Saiba mais sobre o salário mínimo em Portugal, e os fatores envolvidos nesta questão:

De quanto é o salário mínimo em Portugal?

Desde o início do ano de 2017, o salário mínimo português recebeu um ajuste pouco superior a 30 euros em relação ao salário estabelecido até então, atingindo o patamar de 649,83 Euros por mês. Com uma baixa inflação, isso significa um aumento relativo importante no poder de compra do trabalhador.

Deve-se levar em consideração, no entanto, que este salário mínimo em torno de 650 Euros não é válido para todas as categorias e atividades. No meio rural, o salário mínimo é um pouco menor, considerando as condições de produção própria e custo de vida reduzida. Teoricamente, no entanto, o reduzido salário mínimo do meio rural por lá garante o mesmo poder de compra ao trabalhador.

Quais são os indicadores econômicos portugueses?

Quando falamos em indicadores econômicos, as principais referências para quem está interessado no salário mínimo em Portugal são a inflação e o poder de compra. A boa notícia para quem pretende morar por lá é que as taxas inflacionárias portuguesas são significativamente baixas, em função do seu atrelamento à União Europeia.

A economia menos aquecida é outro fator que influencia na falta de estímulos para a inflação, uma vez que o consumo raramente sobrepõe-se à oferta. Neste sentido, é correto afirmar que o histórico do salário mínimo em Portugal desenha uma aumento razoável do poder de compra do trabalhador português.

Quais são as taxas de empregabilidade portuguesas?

Se você pretende mudar-se para Portugal para procurar um emprego, pode ser uma boa ideia repensar essa situação. Por lá, as taxas de desemprego representam um nível superior a 12%, o que é considerado bastante alto para um economia estável – especialmente na Europa.

Mais do que isso, 12% é uma taxa considerada excessivamente conservadora de análise. Recentemente, Portugal passou por uma enorme evasão de mão de obra qualificada, fazendo com que muitos de seus habitantes simplesmente buscassem empregos em outros países da União Europeia, saindo do país e das estatísticas de desemprego.

Qual é o nível dos direitos trabalhistas em Portugal?

Portugal é um dos países europeus que fazem parte da tradição de alto nível de Welfare State, ou seja, uma boa prestação de serviços sociais para seus cidadãos – incluindo os trabalhadores.

No que diz respeito aos direitos trabalhistas básicos, como licenças de maternidade, remuneração de férias, jornadas de trabalho, segurança quanto à demissão e etc., considera-se que o país viva um nível bastante razoável de proteção jurídica ao trabalhador.

Assim como o Brasil vive atualmente, Portugal recentemente passou por uma liberalização econômica de nível intermediário nos últimos anos, reduzindo um pouco destas garantias, mas ainda em um estado de razoável segurança para o trabalhador.

Compartilhe este artigo!
  • 2
  •  
  •  
    2
    Shares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *