Eutanásia e Ortotanásia: o cidadão tem direito de morrer?

As discussões sobre eutanásia e ortotanásia são muito realizadas no âmbito jurídico brasileiro e envolvem toda uma gama de influências e considerações necessárias, como pontos religiosos, éticos, morais, humanitários e legais.

Falar sobre eutanásia e ortotanásia sob a perspectiva legal é complexo, pois envolve a relativização de um dos direitos fundamentais mais importantes do indivíduo protegido pela Constituição Federal – a vida.

A discussão obriga que as pessoas pensem na vida não mais como um direito, mas como um peso que é imposto – e esta perspectiva costuma ser conflituosa com todos os pressupostos morais comuns às pessoas.



O direito fundamental à vida

No Brasil, um dos direitos fundamentais mais bem estabelecidos é o direito fundamental à vida, não havendo muita discussão sobre sua instituição, uma vez que entende-se que este é, de fato, um bem jurídico essencial.

Os direitos fundamentais possuem algumas características estruturais comuns a todos eles. Entre as seis características estruturais está a “indisponibilidade dos direitos fundamentais”.

Ela quer dizer que, embora o direito fundamental pertença diretamente a um titular (no caso da vida, à pessoa que a detém), este direito direito não é disponível para que a pessoa faça o que bem entender dele.

No caso da discussão entre eutanásia e ortotanásia, entende-se que a pessoa viva está disponibilizando o encerramento de sua vida em troca de alguma sensação de solidariedade, ferindo a característica de indisponibilidade.

Eutanásia

Foto: Youtube/Reprodução

Foto: Youtube/Reprodução

Embora eutanásia e ortotanásia costumem ser analisadas em conjunto, em função da natureza parecida de suas consequências, há diferenças significativas entre estas duas condutas.

A eutanásia ocorre quando, por pedido ou sentimento de solidariedade a alguém em estado de saúde incurável e degradante, o indivíduo intencionalmente e ativamente provoca a morte deste alguém em estado de discutível dignidade.

A eutanásia não se configura na omissão, por exemplo, de oferecer remédios. Ela ocorre na ação efetiva de provocar a morte. A pessoa que instrumenta a eutanásia efetivamente mata a que estava em estado de sofrimento, e este é o ponto fundamental que caracteriza esta ação.

Ortotanásia

A ortotanásia, diferentemente da eutanásia, ocorre por omissão em relação ao prolongamento artificial da vida. Em um estágio de vida terminal, é comum que se necessitem vários instrumentos, aparelhos e medicamentos para a manutenção da vida do paciente.

A ortotanásia consiste em interrromper este aparato (seja total ou parcialmente) com a intenção de que seu desligamento resulte na morte da pessoa. Também se caracteriza pela solidariedade ao sofrimento alheio.

A diferença fundamental entre eutanásia e ortotanásia, está, portanto, na natureza da ação. Na eutanásia, o instrumentador da morte interrompe a vida diretamente. No ortotanásia, interrompe a ação de aparatos medicinais que sustentam a vida do paciente.

O indivíduo tem direito de escolher sua morte?

Segundo a lei brasileira, não.

A prática de eutanásia e ortotanásia não é uma conduta lícita e sofre sanções criminais relativas a um assassinato. Emboras alguns países já entendam estas ações como aceitáveis, a lei brasileira ainda as interpreta como crimes.

Há, no entanto, a noção de crime privilegiado. É a ideia de que eutanásia e ortotanásia, embora representem um homicídio, são baseados em preceitos de solidariedade e, até mesmo, respeito ao indivíduo morto. Isso gera atenuações na pena recebida, de acordo com cada caso.

Compartilhe este artigo!
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *